Artigos
 
Não caia no golpismo
Apregoar o uso de pedalada fiscal como crime de responsabilidade para derrubar Dilma é golpismo puro!
28/03/2016

A grande mídia – especialmente a Rede Globo e suas empresas associadas – dedicou nos últimos dias muitas horas de seu jornalismo para confundir e enganar a opinião pública. Objetivo: desconstruir o discurso de golpe daqueles que se opõem ao impeachment.

Adotando a máxima do ministro da propaganda nazista, Paul Joseph Goebbels, de que uma mentira repetida muitas vezes acaba tornando-se verdade, a Rede Goebbels, ou melhor, a Rede Globo colocou ministros do STF e outros juristas em todos os telejornais, durante vários dias, para bater na tecla de que golpismo não há porque o impeachment está previsto na Constituição. E colocou também na tela os golpistas, que espertamente usaram o discurso dos antigolpistas de que “não vai ter golpe”, para vender a ideia de que Dilma não seria derrubada por “golpe” porque o impeachment seria feito por meio de um instituto legal.

O que a mídia ardilosamente esconde é que o golpe não reside na desconsideração da Constituição e de que o impeachment é um instituto legal previsto nesta Carta Magna. Reside, na verdade, na forma pela qual todo o processo está sendo feito, sem que estejam presentes os requisitos para o impeachment ser aplicado, entre os quais o principal, que é o crime de responsabilidade.

Dilma não roubou, não praticou nem mandou praticar atos de corrupção, não mentiu, não escondeu dinheiro no exterior, enfim, não cometeu nenhum crime, mas setores ligados à elite inventaram que ela teria praticado “crime de responsabilidade” ao utilizar uma prática contábil que todos os seus antecessores usaram e que milhares de prefeitos e muitos governadores usam, que é buscar recursos emprestados para honrar compromissos, decisão que teria trazido desequilíbrio fiscal ao país. Dilma nada mais fez do que pegar empréstimos em bancos estatais por alguns dias para pagar a manutenção de programas sociais como o Bolsa Família, o Minha Casa Minha Vida, o Pronatec etc. Se não tivesse feito estas manobras fiscais até então consideradas normais, apelidadas de “pedaladas fiscais”, o governo teria deixado desassistida boa parte da população brasileira, exatamente a parcela mais pobre.

Notem que, em nenhum momento, os golpistas levaram em conta que o desequilíbrio fiscal possa ter sido originado por meio da crise econômica mundial, que iniciou em 2009 nos países ricos e chegou ao Brasil cinco anos depois, em 2014, afetando a economia nacional. Em nenhum momento levaram em conta que essa crise foi agravada pela Operação Lava Jato, que gerou paralisação de empreiteiras e estagnação em obras e investimentos na maior empresa brasileira, a Petrobras, esta sim, achacada por boa parte dos políticos que querem derrubar Dilma.

Por fim, por ironia do destino, os golpistas destinaram a um dos políticos mais corruptos e mentirosos da Câmara Federal, o presidente Eduardo Cunha, a tarefa de aceitar e encaminhar o pedido de impeachment, e buscaram o apoio da grande mídia pra ela fazer o outro serviço sujo: fazer a cabeça da população, usando o método do propagandista nazista Goebbels: mentir, mentir, mentir... até que esta mentira vire verdade na mente da população. Golpismo puro!

Por: Geraldo Muzykant, jornalista
 
 
Redes Sociais
 
 
Folha Metalúrgica
 
Assista
 
Escute
Escolha o áudio abaixo...

 
Boletim Eletrônico
Receba em seu e-mail o boletim eletrônico e informes do Sindicato

Não quero mais participar
 
Veja Também
 
 
O Sindicato
  Institucional
  História
  Diretoria
  Base do Sindicato
  Subsedes
  Aposentados
  Lazer
Serviços
  Tesouraria
  Jurídico
  Homologação
  Médico
Convenções
  Metalurgia
  Reparação de Veículos
  Máquinas Agrícolas
Galerias
  Fotos
  Vídeos
  Escute
  Notícias
  Opinião do Sindicato
  Folha Metalúrgica
  Publicações
CNM  FTM RS  CUT
 
Stimepa - Sindicato dos Metalurgicos de Porto Alegre
Av. Francisco Trein, 116 - Cristo Redentor - CEP 91350-200
Telefone: (51) 3371.9000 - Porto Alegre - RS
 
Omega Tecnologia