Artigos
 
A QUEM INTERESSA TERCEIRIZAR?
Uma certeza: a terceirização não interessa à classe trabalhadora
28/09/2015

Com toda a certeza, a terceirização não interessa aos trabalhadores e nem ao Brasil. Ninguém trocaria a condição de empregado para virar terceirizado. Porque seria abrir mão de direitos e conquistas históricas do movimento sindical previstas em convenções e acordos coletivos. Muitos terceirizados sequer possuem os direitos garantidos na CLT, diante dos calotes de empresas picaretas, da alta rotatividade e da precarização do trabalho.

A terceirização não combina com discurso de modernidade. Vejam: os terceirizados ganham em média 27% menos, não recebem treinamento adequado, ficam menos tempo no emprego, têm jornada de trabalho mais extensa e, portanto, estão mais sujeitos a assédio moral, doenças e acidentes de trabalho. Eles são as maiores vítimas, como os dois garis recentemente atropelados enquanto varriam a Avenida Ipiranga, em Porto Alegre. Entre 2010 e 2013, conforme dados oficiais, 85% dos trabalhadores em situações análogas à de escravidão eram terceirizados. O trabalhador é tratado como mercadoria.

Na realidade, terceirizar só interessa aos maus empresários, como forma de reduzir os custos do trabalho e aumentar os lucros do capital. Querem baixar a folha de pagamento e concentrar ainda mais a renda.

Não é à toa que são empresários e banqueiros, grandes financiadores de campanhas eleitorais, que estão por trás dos projetos de lei que visam escancarar a terceirização para todas as atividades das empresas, como o PL 4330, aprovado sob os protestos de trabalhadores na Câmara, e agora em tramitação como PLC 030/2015 no Senado.

Em boa hora, a Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa do Senado, presidida pelo senador Paulo Paim (PT-RS), está percorrendo os estados e promovendo audiências públicas nas assembleias legislativas para ouvir a sociedade, obtendo grande participação de entidades sindicais e representativas do mundo do trabalho. Para ele, esse malfadado projeto é uma verdadeira "revogação da Lei Áurea".

Merece atenção também a chamada Agenda Brasil, apresentada em 10 de agosto pelo senador Renan Calheiros (PMDB-AL). Entre as suas propostas está a terceirização. O texto prevê "regulamentar o ambiente institucional dos trabalhadores terceirizados melhorando a segurança jurídica face ao passivo trabalhista potencial existente e a necessidade de regras claras para o setor". Olhar a terceirização como negócio não interessa aos trabalhadores.

Os donos do capital querem terceirizar sem limites, ter "segurança jurídica" e livrar-se de milhares de ações judiciais movidas por terceirizados para garantir direitos não respeitados. Ainda bem que a pressão do movimento sindical, intelectuais, juízes e procuradores do trabalho, dentre outros, está crescendo muito, ganhando apoio de parlamentares e despertando a sociedade para barrar esse que representa o maior retrocesso trabalhista na história do País.

 

Por: Claudir Nespolo, presidente estadual da CUT
 
 
Ramais - SEDE STIMEPA
  • Telefone Principal: (51) 3371-9000
  • Saúde/Clínico Geral - Ramal 9024
  • Saúde do Trabalhador - Ramal 9025
  • Cobrança - Ramal 9023 e 9028
  • Jurídico - Ramal 9029
  • Homologação - Ramal 9046
  • Secretaria Geral - Ramal 9026
  • Administrativo/Financeiro - Ramal 9018
 
Redes Sociais
 
 
Folha Metalúrgica
 
Assista
 
Escute
Escolha o áudio abaixo...

 
Boletim Eletrônico
Receba em seu e-mail o boletim eletrônico e informes do Sindicato

Não quero mais participar
 
Veja Também
 
 
O Sindicato
  Institucional
  História
  Diretoria
  Base do Sindicato
  Subsedes
  Aposentados
  Lazer
Serviços
  Tesouraria
  Jurídico
  Homologação
  Médico
Convenções
  Metalurgia
  Reparação de Veículos
  Máquinas Agrícolas
Galerias
  Fotos
  Vídeos
  Escute
  Notícias
  Opinião do Sindicato
  Folha Metalúrgica
  Publicações
CNM  FTM RS  CUT
 
Stimepa - Sindicato dos Metalurgicos de Porto Alegre
Av. Francisco Trein, 116 - Cristo Redentor - CEP 91350-200
Telefone: (51) 3371.9000 - Porto Alegre - RS
 
Omega Tecnologia